Rafinha Bastos ensina o que é AMOR à Gregório Duvivier



rafinha-bastos-e-gregorio-duvivier

Depois do enorne fuzuê nas redes sociais com o texto da coluna de Gregório Duvivier na Folha de S.Paulo, em que faz uma declaração à ex-namorada Clarice Falcão — às vésperas, da estreia da comédia romântica Desculpe o Transtorno, que os dois protagonizam – (leia aqui) outro humorista, nada adepto de declarações amorosas, resolveu falar sobre o assunto.

Rafinha Bastos se abre sobre o relacionamento com Junia Carvalho, com quem é casado desde 2004 e tem um filho, em um texto publicado no seu perfil no Facebook.

Confira o texto da Rafinha Bastos sobre o AMOR na íntegra:

“Desculpe o transtorno, Gregorio. Preciso muito falar da Junia.
———-
Meu amigo, Gregorio Duvivier. Li a tua declaração de amor a Clarice na Folha. Curti muito, claro, mas confesso que fiquei surpreso com o número de amigas que compartilharam o link com frases como “isso que é amor”, “eu quero um amor assim” e “é lindo quando a gente encontra um amor de verdade”.

A minha visão de “amor de verdade” é bem diferente. Permita-me contar a minha história.
———-
Não conheci ela no jazz, na infância nem no ICQ. A primeira vez que nos vimos, foi numa balada alternativa (pra não dizer dos infernos) no centro de São Paulo. Era 4h30 da manhã e a festa já estava vazia. Eu tinha 3 opções: a travesti que fazia cover da Madonna, a tiazinha da limpeza ou a Diolinda, chefe do caixa (que depois virou minha amiga).

Foi quando do meio daquele cenário de destruição, ela apareceu. Foi como se uma sereia tivesse saído do rio Tietê. Lembro dela ter dito: “Oi”. Fiquei eufórico. Sei que um “oi” não é grande coisa, mas, naquele cenário, só dela não me pedir uma pedra de crack já era um ótimo sinal.rafinha_bastos

Ficamos uma, duas, três vezes. Na quarta ela se mudou pra minha casa. Eu não questionei. Minha única companhia nessa cidade era um pote de manteiga que eu guardava debaixo do sofá. A entrada dela na minha vida era quase uma necessidade (na verdade eu meio que namorava com uma stripper, mas não vale o destaque. Uma amiga me contou que ela deu uma facada num cara… sei lá. Uma mulher muito estranha).

Desde de que conheci a Junia, tudo mudou na minha vida (graças a Deus, afinal, eu estaria internado em alguma clínica de reabilitação agora). Foi muito forte. Rapidamente me dei conta de que aquilo era de verdade. A Junia foi, é ainda é, a minha parceira. A pessoa com quem eu sei que posso contar. A mulher que me deu um filho. O amor da minha vida (e mais todas as frases feitas que você possa imaginar).

Mas o nosso amor não tem essa firula toda não, Gregório. A gente não fez filme, não fez poesia, nem música. O máximo que a gente fez foi foi um criado-mudo de madeira e um quebra-cabeça de 498 peças (duas o meu cachorro Walmor engoliu).

Pra mim, amor de verdade não é jazz, gastronomia e nem debate sobre cisgênero. Amor de verdade é brigar pelo lençol, é disputar o carregador de bateria e ficar puto quando o outro não atende o celular. Amor de verdade é pentelho no sabonete, é calcinha no box e cagada de porta aberta. Amor de verdade é ver a tua mulher pelada durante 13 anos e ainda ter tesão. É olhar no rosto do teu filho e comemorar que ele não herdou a tua cara feia e só se parece com ela. É chegar em casa e ficar feliz só de ver que todos estão vivos (não precisa nem vir abraçar… é só estar vivo que já tá beleza).

Amor de verdade (aquele que dura) não tem poesia… sequer tem trilha sonora. Música dura muito pouco. Na vida real, a felicidade pode estar no silêncio. O silêncio que me permite, finalmente, abraçar a minha mulher e ver a porra da minha série do Netflix em paz. Simples assim.

PS: Adorei a parte do seu texto sobre os risotos, cara. A gente tentou fazer a um risoto uma vez, mas queimou. Ela colocou a culpa em mim. Eu fiquei puto e saí de casa. Comi um yakissoba na esquina. Ela me ligou 1 hora depois e pediu pra eu levar um hamburguer. Eu comprei… e comi no caminho. Passei mal.”

Nota do Chato: Muito mais real, cotidiano e realista o depoimento do Rafinha. Talvez pense isso por se assimilar muito comigo. Pode parecer ogro, mas creio que o amor siga por esse caminho tortuoso, e ao mesmo tempo divertido. Sem firulas.

Deixe seus comentários… Afinal, o que é o amor?


Deixe o seu comentário:

Pitacos